Biografia

O Simple Plan é uma banda de pop-punk fundada no Canadá que teve início no final dos anos 90. Composta por Pierre Bouvier (vocalista), Jeff Stinco (guitarrista), David Desrosiers (baixista e backing vocal), Sebastien Lefebvre (guitarrista e backing vocal) e Chuck Comeau (baterista), a banda já lançou 05 álbuns de estúdios, ganhou diversos prêmios ao redor do mundo, vendeu mais de 7,5 milhões de discos e, coleciona em seu catálogo hits como “I’d Do Anything”, “Perfect”, “Welcome to my Life”, “Shut Up!”, “Crazy”, “Your Love Is A Lie” e “Summer Paradise”.

No início dos anos 90, Pierre Bouvier e Chuck Comeau faziam parte de uma banda chamada Reset. Alguns anos mais tarde, Chuck decidiu deixar a banda, e, então. conheceu seus amigos Jeff Stinco e Sebastien Lefebvre quando decidiram criar o Simple Plan. O encontro entre Pierre e Chuck aconteceu em 1999, quando o vocalista tinha acabado de deixar os vocais do Reset (onde foi substituído por David) e, então, eles decidiram convidar Desrosiers para chegarem na formação final do SP.

O primeiro disco do Simple Plan foi lançado em 2002 pela gravadora Lava Records com o nome de “No Pads, No Helmets… Just Balls”, produção de Arnold Lanni, que já havia trabalhado com Our Lady Peace e Finger Eleven e colaborações de grandes nomes do cenário pop-punk como Mark Hoppus, do Blink-182 (“I’d Do Anything”) e Joel Madden do Good Charlotte (“You Don’t Mean Anything”). Para promover o álbum, a banda se apresentou com mais de 300 shows em 01 ano ao lado de artistas como Sugar Ray, Bowling For Soup e a cantora Avril Lavigne, alcançou as paradas do TRL da MTV norte-americana, conquistou disco de Ouro no Canadá e no Japão, e realizou uma turnê com ingressos esgotados no país. Com ele, eles alcançaram o oitavo lugar nos discos mais vendidos do Canadá, recebendo certificado de Platina Dupla. Nos EUA, o SP alcançou a posição de número 35 na parada geral da Billboard, além de terem ficado na 29ª colocação na Austrália e no primeiro lugar no Japão, vendendo aproximadamente 2,5 milhões de cópias ao redor do mundo.

Em Outubro de 2004, os canadenses voltam com o segundo disco, “Still Not Getting Any…”. Mesmo depois de atingirem boas vendas com o trabalho anterior, conquistarem uma legião de fãs e terem emplacado hits de sucesso nas rádios, a mídia ainda não levava a banda a sério, e esse é um dos trocadilhos feitos com o nome do trabalho lançado pelos caras na época. Esse também foi o álbum que ajudou a alavancar, de uma vez por todas, a carreira deles ao redor do mundo, principalmente no Brasil, onde “Shut Up!”, “Welcome to my Life”, “Crazy”, “Untitled” e “Jump” dominaram as rádios nacionais fazendo com que eles tocassem no estádio do Pacaembú, em São Paulo, como a atração principal do festival da rádio Mix no ano de 2005, e, pouco mais de um ano depois, voltassem ao país com shows esgotados em São Paulo (mais de 25.000 fãs na Arena Anhembi) e no Rio de Janeiro (7.000 espectadores), mesmo depois de já terem encerrado a turnê que promovia o segundo álbum da banda.

Foi com o segundo álbum que o Simple Plan teve a chance de participar de turnês com o Good Charlotte e o Green Day, além de convidar outros nomes que se tornaram mundialmente conhecidos como The All-American Rejects, Plain White T’s, Paramore, Sugarcult e Relient K.

O disco foi produzido por Bob Rock, que já havia trabalhado com a banda Bon Jovi, e estreou na 3ª posição da parada da Billboard com mais de 130.000 discos vendidos. O single de lançamento, “Welcome to my Life” recebeu o certificado de ouro por cerca de 500.000 cópias distribuídas. No total a banda vendeu, aproximadamente, 2 milhões de álbuns, sendo 50.000 apenas no Brasil.

Um ano após o lançamento de “Still…”, a banda anunciou uma parceria com a MTV, que transmitiu um dos shows realizados durante a turnê “Noise of the World” com o Good Charlotte, lançando, mais tarde o primeiro DVD ao vivo dos caras junto com um CD com as faixas da apresentação, além de versões acústicas e um livro de fotos da turnê. Esse lançamento marcou a transição do segundo disco da banda até a produção do álbum “Simple Plan”. Até aquele momento, eles já haviam alcançado a marca de 7.000.000 de discos vendidos mundialmente.

O terceiro álbum do Simple Plan traz um som mais maduro e um pouco diferente do que os fãs estavam acostumados. Foi nessa época que eles trabalharam com produtores diversificados como Danja Hils (Timbaland, Justin Timberlake e Britney Spears), Max Martin (Kelly Clarkson e Avril Lavigne), Arnold Lanni (que havia produzido o disco “No Pads…”) e Dave Fortman (Evanescence). O disco contou com 11 faixas e que soavam diferente de qualquer coisa que eles já haviam feito até então. Com toques de R&B, hip-hop, baladas e uma levada dance em uma das faixas, a banda declarou que precisava fazer algo mais ousado.

O álbum foi lançado em 2008 e, com ele, a banda retornou ao Brasil em 02 ocasiões. Na primeira, para uma série de entrevistas e um show privado para vencedores de um concurso de rádio que foi transmitido pela Mix TV, e, meses depois, para a maior turnê dos caras pelo país até então, que contou com 05 shows nas cidades de Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Recife e Belo Horizonte.

O álbum auto-entitulado “Simple Plan” alcançou a 2ª colocação no Canadá, a 14ª colocação nos EUA, além de ter atingido o Top 10 em diversos países como Austrália, Áustria, Suécia e no Brasil, onde eles venderam 100.000 álbuns digitais em parceria com a marca LG, que lançou um aparelho celular da operadora VIVO, que contava com conteúdo exclusivo da banda, além do álbum completo, fazendo com que eles se tornasse os primeiros a receberem um certificado de vendas digitais no país. No total o disco alcançou cerca de 700.000 cópias vendidas pelo mundo.

Depois de um longo tempo em turnê, o Simple Plan confirmou a produção do quarto disco, que, mais tarde levou o nome de “Get Your Heart On!”. Em 2010 os fãs já puderam ter um gostinho do que estava por vir quando a banda resolveu tocar, pela primeira vez, a música “You Suck at Love”, que faria parte do disco lançado no ano seguinte. Esse também foi o álbum que mais contou com participações de outros artistas. Em “Jet Lag” os caras contaram com as cantoras Natasha Bedingfield, Kelly-Cha, Kotak e Marie-Mai, Rivers Cuomo, da banda Weezer, participou de “Can’t Keep My Hans Off You”, K’Naan, Sean Paul, Taka e MKTO foram convocados para as diversas versões de “Summer Paradise” e, o amigo Alex Gaskarth, da banda All Time Low, participou de “Freaking me Out”.

Esse deve ter sido, até o momento, o álbum mais trabalhado pelo Simple Plan durante a história da banda. Eles escreveram mais de 60 faixas, fizeram diversas turnês pelo mundo, com shows esgotados na Austrália, Europa, América do Norte e no Brasil (onde eles estiveram duas vezes – uma em Porto Alegre e no festival SWU, e outra com shows em Fortaleza, Salvador, Teresina, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília) e lançaram 10 vídeo clipes. Tanta divulgação fez com que “Summer Paradise” se tornasse um dos singles mais bem sucedidos da banda em todos os tempos, alcançando mais de 2.5 milhões de vendas, além do Top 10 em 15 paradas musicais pelo mundo.

Mesmo depois de terem encerrado o processo de divulgação do quarto disco, o Simple Plan preparou um lançamento especial para os fãs que já estavam ansiosos pelo próximo álbum da banda. No fim de 2013 foi lançado um EP chamado “Get Your Heart On! The – Second Coming!”, que conta com 7 músicas gravadas para o seu antecessor e que nunca tinham sido lançadas anteriormente. Nessa mesma época os caras continuaram a realizar alguns shows enquanto davam início aos trabalhos para o quinto álbum, “Taking One for the Team”.

Assim, como aconteceu anteriormente, o SP já tinha dado uma prévia do que estava por vir. Em 2014 eles tocaram uma versão acústica de “Boom”, que foi lançada posteriormente com um dos buzz-singles do álbum junto com “Saturday” (que acabou sendo descartada da tracklisting final) e “I Don’t Wanna be Sad”. O primeiro single oficial foi “I Don’t Wanna Go to Bed”, que também revelou a primeira colaboração da banda – o rapper Nelly.

“Taking One for the Team” é o maior disco dos caras, com 14 faixas e outras colaborações como Jordan Pundik, do New Found Glory, e a cantora Juliet Simms. O processo de composição e gravação também foi o mais demorado, sendo iniciado em 2013 e finalizado apenas no final de 2015. Para esse disco a banda contou com a produção de Howard Benson (Kelly Clarkson, Motorhead, Skillet e The All-American Rejects).

Para a divulgação do disco, o Simple Plan já confirmou diversos shows pela Europa, uma apresentação em um festival no Japão, além de declararem que pretendem voltar a outros países pelos próximos meses, incluindo o Brasil.

O Simple Plan já possui mais de 15 anos de carreira, 05 discos de estúdio, 02 DVDs, mais de 07 milhões de álbuns vendidos e diversos prêmios conquistados ao redor do munddo.